RECEBA AS ATUALIZAçOES POR EMAIL

Insira seu email:

(o email para confirmar a ativaçao pode cair na sua caixa de spam. Verifiche-a.)

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

CIA revela medo que os Estados Unidos sejam vistos como terroristas

Documentos da CIA (inteligencia americana) publicados por wikileaks demonstram a preocupaçao dato que os Estados Unidos nao se submetem ao Tribunal Penal Internacional como os outros paises e faz chantagem economica com paises pobres para poder fazer o que quiser nesses paises.

Testo abaixo extrato do memorando CIA.


".... A percepção estrangeira dos E.U. como um "exportador de terrorismo" também suscita difíceis questões jurídicas para os E.U., seus aliados estrangeiros e instituições internacionais.


Até hoje, os E.U. não é um signatário do Tribunal Penal Internacional (ICC) e em vez disso, prosseguiu imunidade bilaterais (BIA) com outros países para garantir a imunidade dos cidadãos E.U. da acusação do ICC. Os E.U. ameaçaram encerrar a ajuda económica e retirar a assistência militar com os países que não aderirem ao PACTOS DE IMUNIDADE.

Se regimes estrangeiros acreditassem que a posição dos E.U. nos sequestros extrangeiros (ilegais obvio) é demasiada unilateral, favorecendo os E.U., mas não os outros paìses, eles podem obstruir os esforços americanos para deter suspeitos de terrorismo.

Por exemplo, em 2005, a Itália expediu mandados de prisão criminal para agentes da CIA envolvidos no rapto de um clérigo egípcio (ABU OMAR)e sua entrega ao Egito. A proliferação de tais casos poderiam não só enfraquecer as relações bilaterais americanas com outros países, mas também danificar os esforços de contraterrorismo global....."

terça-feira, 24 de agosto de 2010

FAçA SUA PARTE... NAO DEIXE A AMéRICA TORTURAR OUTROS POVOS

Ingleses torturam iraquianos

O soldado que forneceu as imagens foi preso!!! Ou seja, um que tenta defender os direitos humanos ou ao menos mostrar o que realmente acontece acaba na prisao!!!

Um paradoxo da nossa idade moderna...

Nao seja cumplice dessa matança. Faça algo. Boicote produtos desse pais. Repasse os videos a pessoas que conhece. Mas mexa-se. Vidas dependem da sua participaçao ativa na nossa finta democracia...

Reportagem em
http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/4708866.stm




___________________________________________


Por que os iraquianos odeiam os americanos? Segundo sondagens os iraquianos depois de tudo prefereriam o ditador Saddam. As crianças atiram pedras nos carros americanos para se ter uma idéia.
(http://www.prisonplanet.com/articles/december2005/151205threwrocks.htm)


Mais do que grandes textos, esse video demonstra o porque.

O completo desrespeito pela vida humana. Nao me dei o trabalho de colocar legendas, pois seria inutil. O video diz tudo....

Nao seja cumplice dessa matança. Faça algo. Boicote produtos desse pais. Repasse os videos a pessoas que conhece. Mas mexa-se. Vidas dependem da sua participaçao ativa na nossa finta democracia...

Video retirado do site

http://www.prisonplanet.com/articles/march2006/040306somuchfun.htm



segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O QUE DIZER... Igreja catolica seguindo os passos da Igreja Universal de Edir Macedo?

Que surpresa foi a minha quando eu e minha namorada fomos visitar a cidade de "Piacenza". Repleta de igrejas nao pude evitar de entrar para ver as belas pinturas que as enfeitam (também os palacios). Depois de muito tempo sem entrar nas igrejas catolicas, como cristao, fiquei "chocado" com o que vi.

Qual nao foi o meu espanto quando entrando na primeira basilica com a qual me deparei (Basilica de San Savino do ano 903!) encontrei subito a direita do portao de ingresso a àgua benta com VERMES dentro. Nao me enganei nao... tinham larvas nao sei de que (provavelmente de mosquito, pois é uma regiao desgraçadamente cheia). Perguntei a Caroline se ela também via; logo me confirmou! Fiquei sem palavras. Infelizmente nao pude fazer uma foto, pois era em uma area pouco iluminada, apesar de ser logo na entrada. Menos mal que continuando a visita dentro da igreja se aproximou um padre que, com muita simpatia e educaçao, me disse de ficar a vontade e que se quisesse visitar a cripta no subsolo deveria ficar a vontade.

Saindo dessa igreja continuamos caminhando até chegar em uma segunda. O "Duomo" (cada cidade grande tem a sua). Se chama Catedral de "S. Maria Assunta" e é de 1122!

Fiquei imaginando quantas pessoas construiram aquilo e se eram escravos (lembrando que a igreja tinha "alguns"). Depois me lembrei de Jesus entrando em Jerusalem quando se irritou muito quando viu que os homens tinham feito dos templos (casa de Deus) um grande mercado. Nao é novidade que a igreja catolica fazia "caixa" com o comercio de "perdao" às pessoas menos cultas (intelectualmente e espiritualmente). Mas isso foi a séculos atràs, poderia pensar.

Me enganei. apartir dai nao cansei de ver as solicitaçoes de "ofertas". Basilica de Sant'Antonino, de San Francesco, .....

Digna de nota é o numero de contruibuiçoes (que vi) por parte de pobres velhinhos... realmente triste!

Eu, que tenho uma mentalidade do inicio do seculo passado, nao posso acreditar que seja fruto da modernidade... nao vou fazer juizos da igreja que seguiam meus avòs... mas as fotos as publicarei... com alguns comentarios, admito, sarcasticos, pois sao inseparaveis diante da incoerencia clerical.



BASILICA SAN FRANCESCO















BASILICA CATEDRAL DE S. MARIA ASSUNTA









BASILICA DE SANT'ANTONINO





CADA UM é LIVRE DE ESCOLHER O QUE FAZER COM SEU DINHEIRO..... mas acredito que a fé verdadeira està dentro de cada um (independente da crença e dos "impostos" da fé) e em qualquer lugar, pois a maravilhosa obra da natureza nao pode ser obra do acaso sem uma organizaçao de alguma inteligencia superior...

.

sábado, 21 de agosto de 2010

Como vai a guerra/invasao americana no Afganistao?

As coisas nao andam nada bem para os manipuladores do século (Estados Unidos). Estariam ensaiando uma nova filmagem do Vietnam?

No inicio da INVASAO (2004) os conflitos eram pouquissimos em uma pequena area do pais, mas em outubro de 2009 eles se espalham por todo o pais e ficam mais frequentes.
Um video mostra que desde a invasao americana ao Afeganistao, os confrontos no pais nao param de aumentar. A américa e seus aliados estao tomando um sufoco, pois a grande maioria da populaçao é contraria a invasao. Os unicos que ganham nessa carneficina sao os bilionarios senhores da guerra do criminal governo americano.

O video foi realizado por Mike Dewar, pesquisador di fisica e matematica aplicada na Columbia University, e Drew Conway, estudante de ciencias politicas da New York University utilizando os documentos "secretos" do governo americano apresentados por wikileaks.

Mais informaçoes sao disponiveis em http://github.com/drewconway/WikiLeaks_Analysis



sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A verdade sobre a guerra no Iraque visto por MIKE PRYSNER (soldado)

Discurso de MIKE PRYSNER, soldado norte-americano, sobre a ocupação do Iraque.

Um discurso que mostra o quanto nos enganamos quando generalizamos uma afirmaçao ou uma condena. Um discurso que mostra quantas pessoas de bem existem na america.

Mike Prysner é membro da organização IVAW (Iraq Veterans Against the War) - Veteranos do Iraque Contra a Guerra

(video original retirado do canal http://www.youtube.com/user/frentedelibertacao)



quarta-feira, 18 de agosto de 2010

ESTADOS UNIDOS E BRASIL: SEMELHANçAS?

Confesso que intuitivamente nao tinha muitas duvidas sobre as semelhanças, mas pensando um pouco e colegando os fatos vemos que o mundo inteiro é muito mais parecido do que imaginamos. O que faz a diferença é a propaganda, pois no fim das contas SOMOS GOVERNADOS POR CRIMINAIS EM QUALQUER EPOCA E LUGAR...

Relacionando fatos....


1) Se sente falar sempre dos Estados Unidos que buscam liberdade, democracia... bla-bla-bla.. atraves da propaganda governamental e dos meios de comunicaçao. Certo que antes tinha o desqualificado BUSH com suas guerras sem motivos e atrocidades escondidas (1), mas agora com Obama tudo vai ser diferente por que "Yes, We can". E logo na arrancada vem ja arrecadando premios. Entre eles o PREMIO NOBEL DA PAZ.... nao é brincadeira se pensamos que ja foram dignatarios Martin Luther King, Madre Tereza, Medicos sem Fronteiras, Amnesty Internacional entre outros. E seguimos tendo noticias de que tudo vai bem na guerra (se é que é possivel se tratando de guerra, Einstein dizia que preferia ser feito em pedaços que andar à guerra). Mas nem dois anos se passaram e hoje vejo uma noticia: mortes no afeganistao com comando de Obama ultrapassam as de Bush (2). E pra notar que Bush mentiu ao mundo por oito anos!!

2) Hoje lendo um interessante livro sobre os "padres fundadores" da America (muitos escravistas, G. Washington por exemplo tinha mais de 100..) de um escritor americano de nome Gore Vidal (3) me deparo outra vez com uma certa incoerencia.

Como pode que a America que tanto fala de democracia, liberdade e de perseguir a felicidade (Bill of Rights - 10 primeiros artigos da Constituiçao) ja antes de completar sua Constituiçao ter terminado com a Revolta de Shays que procurava abolir os debitos de todos e dividir as terras americanas que estavam em grande parte nas maos dos "padres fundadores" (pg. 30)?

Como pode ter Benjamim Franklin ter em 1787 ja feito a profecia dizendo que a America viraria um dispotismo nao apenas seu povo fosse talmente corrupto da ter necessidade de um governo déspota (tirano).

Gore Vidal fazendo uma comparaçao entre a "nova" América e aquela atual escreve:

"Franklin em 1783 escreve estas palavras profeticas ao amigo vescovo Shipley:
"Com a graça de Deus, a América tornar-se-à um pais grande e feliz; e a Inglaterra, se com o passar do tempo conquistarà a sabedoria, terà ganho algo de mais precioso e mais essencial a sua prosperidade, de tudo aquilo que perdeu; e serà ainda uma naçao grande e respeitada. Atualmente a sua grande doença sao os numerosos e enormes salarios e emolumentos corrispostos a quem recobre cargos publicos. A avareza e a ambiçao sao paixoes potentes e, separadamente, agem com grande força sobre a mente humana; mas quando si dao a mao e podem ser gratificadas do mesmo objeto, aì que a sua violencia se torna quase irresistivel e elas precipitam os homens em facçoes e disputas que destroem todo bom governo. Portanto, enquanto esistirem esses grandes emolumentos, o seu parlamento [ingles] serà um mar em tempestade e as suas assembléias publicas poluidas de interesses privados. Entretanto para abolir-los ocorre um grande espirito publico e uma grande virtude, talves mais de quanto se encontra atualmente em uma naçao por tanto tempo corrupta."
Com essas palavras Franklin, descrevendo a Inglaterra de 1783, bem ilustra os Estados Unidos atual, pais um tempo "grande e feliz" e hoje dilacerado da avareza e da ambiçao, enquanto nossas assembléias publicas sao poluidas por interesses privados".

Com essas palavras, juntas àquelas do historico Commager, minhas duvidas sobre a moral da América se dissolveram por completo. Fico aliviado de poder ter algo tangivel para basar minhas idéias. Assim fica mais facil de entender e acreditar nas atrocidades cometidas pelas elites americanas e pelas suas multinacionais ao redor do mundo.

O triste, porém, é ver que (com um pouco de pesquisa e esforço) Brasil, Estados Unidos, Italia, Mexico, Colombia, Suiça, França, Africa, Alemanha, China no fundo, no fundo, tem muito em comum: A POBREZA DE ESPIRITO DOS GOVERNANTES E DA ELITE DOMINANTE DA EPOCA.



(1) A face oculta da guerra no afeganistao (euronews)

Mais de 90 mil documentos militares dos Estados Unidos foram revelados na imprensa internacional, um dossiê que cobre o período de 2004 a 2009.

As informações apresentadas por uma organização on line, falam sobre mortes não divulgadas de civis afegãos e obre operações secretas contra líderes talibã.

Os diários britânico The Guardian e americano New York Times afirmam que os documentos lhes foram apresentados pela organização on line de denúncias Wikileaks.

O dossiê, surge no momento em que a Nato investiga denúncias sobre a morte de 45 civis num ataque aéreo na província de Helmand na sexta-feira.

(2) Tabela mortos com o comando de Obama e Bush em:

http://www.justforeignpolicy.org/obamavsbush/explanation


(3) Gore Vidal, "L'invenzione degli Stati Uniti. I padri fondatori: Washington, Adams, Jefferson"

CONHEçA GILMAR MENDES (uma ficha nao muito bela)

DEVER DE CIDADAO SERIA CONHECER SEUS "PATROES". Essa é uma sintese da "ficha" do ministro e presidente da mais alta corte de justiça do paìs!!!

Aquele que POR DUAS VEZES mandou soltar o banqueiro corrupto Daniel Dantas.

Nosso ex-presidente FHC classifica o primeiro como "competente" e o segundo como "brilhante"! Enquanto o delegado que mandou prender Dantas, FHC chama de "amalucado"!

Amalucado seria o povo por eleger gente assim....


texto abaixo retirado do site wikipedia (informaçoes no site com devidas fontes)


Gilmar Mendes foi nomeado para o Supremo Tribunal Federal pelo presidente Fernando Henrique Cardoso.

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, o professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco) Dalmo de Abreu Dallari, professor catedrático da UNESCO na cadeira Educação para a paz, Direitos Humanos e Democracia e Tolerância,[10] e tradicional nome da intelectualidade de esquerda no Brasil, declarou:

Se essa indicação (de Gilmar Mendes) vier a ser aprovada pelo Senado, não há exagero em afirmar que estarão correndo sério risco a proteção dos direitos no Brasil, o combate à corrupção e a própria normalidade constitucional. (…) o nome indicado está longe de preencher os requisitos necessários para que alguém seja membro da mais alta corte do país.[11]
DALLARI, Dalmo de Abreu

Gilmar Mendes tentou processar criminalmente o jurista Dallari por esse artigo, mas a Justiça recusou a instauração da ação penal que o já ministro Mendes pretendia mover contra o advogado Dalmo Dallari: "A crítica, como expressão de opinião, é a servidão que há de suportar (…) quem se encontrar catalogado no rol das figuras importantes", escreveu o juiz do caso Silvio Rocha, citando uma sentença publicada na Espanha.[12] Essa opinião sobre o ministro Gilmar Mendes, entretanto, não é unânime entre os Dallari. Adilson de Abreu Dallari, professor titular de Direito Administrativo da PUC/SP, irmão de Dalmo, considera que Gilmar Mendes "tem tido uma excelente atuação, com independência e imparcialidade, decidindo de maneira totalmente coerente com seus escritos doutrinários, sem surpresa alguma".[13]

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, para conseguir ter sua indicação aprovada no Senado Federal, Gilmar Mendes precisou contar com uma "mobilização tucana": "registros do Senado mostram que a base de apoio ao governo tucano se mobilizou para garantir aprovação de Mendes para o cargo". Teve 15 votos contrários à sua efetivação, o triplo do segundo candidato ao posto com maior rejeição, o ministro Eros Grau.[14]

Durante o período como ministro do STF, assumiu o cargo de vice-presidente no mandato da ministra Ellen Gracie. Em 23 de abril de 2008, foi empossado presidente do STF para o biênio 2008-2010. Na véspera de tomar posse como presidente do STF determinou, nos autos da reclamação n. 2186, o arquivamento de duas ações de improbidade administrativa contra dois dos ex-ministros do governo Fernando Henrique Cardoso, Pedro Malan e José Serra. O Ministério Público Federal, em parecer da lavra do Vice-Procurador-Geral da República, Dr. Haroldo Ferraz da Nóbrega, também havia opinado no sentido do deferimento da reclamação dos então ministros Pedro Malan e José Serra.[15] Mendes foi subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil no governo FHC, entre 1996 e 2000, e advogado-geral da União, entre 2000 e 2002.[16][17]

Críticas e o Caso Daniel Dantas-Opportunity

Em 11 de julho de 2008, foi alvo de violentas reações contrárias à sua atuação como presidente e ministro do Supremo Tribunal Federal. Primeiramente, quarenta e dois procuradores da República divulgaram nesse dia, uma carta aberta à sociedade brasileira,[18] na qual lamentam a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal no habeas corpus que libertou o banqueiro Daniel Dantas da prisão pela primeira vez, no dia 9 de julho:

As instituições democráticas foram frontalmente atingidas pela falsa aparência de normalidade dada ao fato de que decisões proferidas por juízos de 1ª instância possam ser diretamente desconstituídas pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal, suprimindo-se a participação do Tribunal Regional Federal e do Superior Tribunal de Justiça. Definitivamente não há normalidade na flagrante supressão de instâncias do Judiciário brasileiro, sendo, nesse sentido, inédita a absurda decisão proferida pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal. Não se deve aceitar com normalidade o fato de que a possível participação em tentativa de suborno de Autoridade Policial não sirva de fundamento para o decreto de prisão provisória. Definitivamente não há normalidade na soltura, em tempo recorde, de investigado que pode ter atuado decisivamente para corromper e atrapalhar a legítima atuação de órgãos estatais.[18]
Procuradores da República em Carta Aberta

No final do mesmo dia, 134 juízes federais da Magistratura Federal da Terceira Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul) divulgaram carta de apoio ao juiz federal da 6ª Vara, Fausto Martin de Sanctis, responsável por expedir o pedido de prisão do banqueiro Daniel Dantas, em um manifesto público no qual demonstraram sua "indignação com a atitude" de Gilmar Mendes.

Não se vislumbra motivação plausível para que um juiz seja investigado por ter um determinado entendimento jurídico. Ao contrário, a independência de que dispõe o magistrado para decidir é um pilar da democracia e princípio constitucional consagrado. Ninguém nem nada podem interferir na livre formação da convicção do juiz, no direito de decidir segundo sua consciência, pena de solaparem-se as próprias bases do Estado de Direito. Prestamos, pois, nossa solidariedade ao colega Fausto de Sanctis e deixamos clara nossa discordância para com este ato do Ministro Gilmar Mendes, que coloca em risco o bem tão caro da independência do Poder Judiciário.
Juízes Federais da Terceira Região

Esse manifesto, ainda aberto a novas adesões, já tinha reunido mais de 400 assinaturas[19] de juízes federais até o dia 14 de julho.[20]

Da mesma forma, a Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF) divulgou uma nota à imprensa criticando a decisão do presidente do STF, ministro Mendes, de suspender a prisão preventiva do banqueiro Daniel Dantas em desacordo com a jurisprudência dominante.[21] A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), entidade de âmbito nacional e que congrega mais de 13 mil juízes de todo o Brasil, entre estaduais, trabalhistas, federais e militares, juntou-se às demais em apoio ao juiz Fausto Martin de Sanctis:[22][23][24]

A independência do magistrado constitui pedra fundamental do Estado Democrático de Direito e garantia indissociável do exercício da atividade jurisdicional, merecendo repulsa veemente toda tentativa de menosprezá-la ou diminuí-la.
Associação dos Magistrados Brasileiros.

Segundo declarou Wálter Fanganiello Maierovitch, Desembargador (aposentado) do Tribunal de Justiça de São Paulo, (presidente e fundador do Instituto Brasileiro Giovani Falconi de Ciências Criminais (Istituto Brasilano di Scienze Criminali Giovanni Falcone), professor de pós-graduação em direito penal e processual penal, professor-visitante da Universidade de Georgetown em Washington-EUA, e conselheiro da Associação Brasileira dos ConstitucionalistasInstituto Pimenta Bueno, da Universidade de São Paulo — USP), em entrevista concedida à Rádio CBN no dia 10 de julho, houve flagrante precipitação de Gilmar Mendes na concessão desse habeas corpus, e o uso de algemas está incluído no poder discricionário das polícias de todo o mundo, declarando ainda que o ministro Gilmar Mendes, nesse caso, teria "rasgado a jurisprudência do Supremo" — o único precedente seria a soltura de outro banqueiro, Salvatore Cacciola, que fugiu — e que "o Supremo é um órgão colegiado e que somente em casos excepcionalíssimos pode um único ministro antecipar a decisão dos dez outros."[25][26] Em entrevista concedida para o Portal do Terra ao jornalista Diego Salmen, Maierovitch diz que já é hora de pensar num impeachment do presidente do Supremo. Para Maierovitch, o novo habeas corpus concedido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, ao banqueiro Daniel Dantas mostra que o presidente do STF estaria "extrapolando suas funções":

Ele (Gilmar Mendes) está atuando com abuso de direito. Está extrapolando as funções dele. O Supremo virou ele.[27]
MAIEROVITCH, Wálter Fanganiello

Repercussão Internacional

A celeuma foi noticiada pela BBC News, que qualificou alguns episódios de "bizarros":

uma importante disputa se desatou no Poder Judiciário do Brasil em torno de uma investigação sobre corrupção em que um empresário foi preso e posto em liberdade duas vezes em 48 horas”. (…) Em cada oportunidade, o presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil (STF), Gilmar Mendes, ordenou a libertação do empresário Daniel Dantas. (…) Noutro episódio bizarro o gabinete do presidente (do Supremo) foi varrido eletronicamente para detectar equipamentos de escuta depois de denúncias de que o mesmo juiz teria autorizado a polícia (federal) a monitorar o gabinete. Nada foi encontrado e o juiz de Sanctis repeliu essa acusação.
BBC News[28]


Gilmar e seus "capangas" (expressao do ministro Joaquim Barbosa)

Em 22 de abril de 2009 o ministro Gilmar Mendes e o ministro Joaquim Barbosa tiveram discussão acirrada na sessão plenária do tribunal. Barbosa queria analisar quais seriam as consequências de uma decisão proferida pela Corte, referente ao pagamento de previdência a servidores do Paraná, mas Mendes disse que o assunto já estava encerrado, tendo sido tratado em outra sessão, à qual Barbosa faltara e que ele, Barbosa, julga de acordo com a classe social dos envolvidos. Joaquim Barbosa disse que estava de licença médica, que não julga de acordo com a classe social mas atenta para a consequência das suas decisões. Mendes replicou dizendo que todos fazem isso e negou que Joaquim tivesse condições de dar lição de moral a ele ou a outrem, o que tornou mais azeda a discussão. Barbosa então acusou o presidente da Corte de estar "destruindo a credibilidade da Justiça brasileira"[48] e desafiou-o a sair à rua.

Barbosa afirmou: "Vossa Excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro." E continuou: "Vossa Excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso". Sobre os supostos capangas, é importante citar um trecho da reportagem "Nos rincões dos Mendes" publicado na revista Carta Capital de 20 de novembro de 2008:

Em 14 de setembro de 2000, na reta final da campanha eleitoral, a estudante Andréa Paula Pedroso Wonsoski foi à delegacia da cidade para fazer um boletim de ocorrência. Ao delegado Aldo Silva da Costa, Andréa contou, assustada, ter sido repreendida pelo então candidato do PPS, Chico Mendes [irmão de Gilmar] (…) A jovem, de apenas 19 anos, (…) conforme o registro policial, alegou ter sido abordada por gente do grupo do candidato e avisada: “Tome cuidado”. Em 17 de outubro do mesmo ano, 32 dias depois de ter feito o BO, (…) a estudante desapareceu e nunca mais foi vista. Três anos depois, em outubro de 2003, uma ossada foi encontrada por três trabalhadores rurais, enterrada às margens de uma avenida, a 5 quilômetros do centro da cidade. Era Andréa Wonsoski.[49]
FORTES, Leandro

Gilmar Mendes irritou-se e pediu respeito ao colega, após o que a sessão foi encerrada.[50]

No mesmo dia, houve uma reunião entre nove ministros do Supremo. Joaquim Barbosa não compareceu, nem Ellen Gracie que estava fora do país.

No dia seguinte, Mendes minimizou a discussão. "Quem acompanha as sessões do STF sabe que há debates mais exacerbados, falas mais enfáticas."

Comentando o caso, em artigo no Jornal do Brasil do dia 24 de abril de 2009,[51] o jornalista Mauro Santayana registrou sua opinião, relembrando o posicionamento do jurista Dalmo Dallari:

Os fatos estão demonstrando que Dallari tinha razão. A normalidade constitucional está ameaçada pelos atos autoritários do presidente do STF, que, com arrogância, dita normas aos outros dois poderes da República e não tem sido devidamente contido por eles, que aceitaram firmar um Pacto republicano proposto pelo juiz. Pacto republicano é o da Constituição.
SANTAYANA, Mauro

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

QUANDO O CRIME VENCE

Quando o crime vence. Conselho de Justiça não pode mexer na aposentadoria dos acusados de vender sentenças.

Por Wálter Fanganiello Maierovitch- Terra Magazine.


Fonte:
http://ibgf.org.br/index.php?data[id_secao]=2&data[id_materia]=2294

.
Paulo Medina


"1. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aposentou compulsoriamente o ministro Paulo Medina, do Superior Tribunal de Justiça, e Eduardo Carreira Alvim, vice-presidente do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro (eleito, apesar da gravidade das acusações, vice-presidente).



Para o relator e vice-presidente do CNJ, ministro Gilson Dip, houve, quanto a Medina e Carreira Alvim, quebra ao princípio constitucional da imparcialidade do juiz: “Todo cidadão tem o direito de ser julgado por um juiz de reputação ilibada”.



Contra Medina e Carreira Alvim pesavam acusações de crimes de corrupção e prevaricação. No popular, vendiam as decisões. Por R$ 1 milhão, Paulo Medina, que já foi presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros e da Federação Latino-Americana de Magistrados, teria liberado 900 máquinas de jogos eletrônicos de azar, apreendidas pela polícia e Justiça de primeiro grau.



Carreira Alvim, sempre segundo a acusação formulada, teria embolsado R$ 1 milhão para liberar outras 900 máquinas eletrônicas de jogos de azar, a favorecer “bicheiros” notórios: Turcão, Capitão Guimarães e Anísio Abrahão.



O desembargador Carreira Alvim foi até mais longe. Conferiu liminar para que todos os recursos, presentes e futuros, contra as apreensões de máquinas por ele liberadas não tivesse força para reestabelecer as apreensões policiais e judiciais. Ou seja, os recursos não contavam com o efeito de suspender as decisões a liberar máquinas de jogos de azar.



Os dois magistrados, Paulo Medina e Carreira Alvim, foram descobertos na exitosa Operação Hurricane (Furacão), realizada pela Polícia Federal.



A Hurricane resultou, só para lembrar e a título de exemplo, na apreensão de R$ 10 milhões em dinheiro vivo (papel moeda) e 51 automóveis de luxo, avaliados em R$ 5 milhões.


Por ter falecido no curso das apurações, o desembargador Ricardo Regueira, também do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro, não teve a responsabilidade declarada na decisão do Conselho Nacional de Justiça.

2. Aposentados por decisão administrativa do Conselho Superior da Magistratura, Medina e Carreira Alvim, continuarão com os seus títulos de ministro e desembargador, respectivamente.

Mais ainda, no quinto dia útil de cada mês receberão integralmente os vencimentos, como se estivessem no serviço ativo.



Paulo Medina vai para casa com R$ 25.386,97 mensal.

Carreira Alvim continuará a receber mensalmente R$ 24.117,62.

Toda vez que forem reajustados os vencimentos de ministros do Supremo Tribunal Federal, os estipêndios de Medina e Carreira Alvim serão aumentados.

Caso venham a falecer, os estipêndios serão repassados às viúvas, caso vivas, e dependentes.

3. Apenas o processo administrativo-disciplnar tramitou perante o CNJ.

Os dois magistrados vão recorrer da decisão administrativa que, com base na Lei Orgânica da Magistratura, impôs a pena mais grave: aposentadoria compulsória. Ou seja, o “vai para casa na marra”, sem prejuízo da remuneração.

O processo criminal contra Medina e Carreira Alvim corre perante do Supremo Tribunal Federal (STF). Está longe de acabar: a Operação Hurricane é de 2007.

Não se sabe, caso condenados no STF, se, por efeito da condenação, perderão os cargos.

A aposentadoria será difícil perder, pois, ambos, quando da Operação Hurricane, já tinham tempo para se aposentar voluntariamente.

PANO RÁPIDO. Caso condenados no STF, e há risco de prescrição pela demora e baixas sanções, espera-se que mandados de prisão sejam expedidos.

Por enquanto, o crime organizado, que teria comprado Medina e Carreira Alvim, está vencendo por 10 a 1 (gol pela aplicação da pena máxima)."

FHC: depois se pergunta porque o pais é uma merda...

Em entrevista ao programa "É notícia", o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso dá sua opinião muito inusual sobre personagens da vida nacional:

- Gilmar Mendes (presidente do STF que mandou soltar DANTAS): corajoso e competente.

- Protógenes Queiroz (delegado da Polícia Federal que recusou suborno e prendeu Daniel Dantas): amalucado.

- Daniel Dantas (preso pela policia fedral junto com Celso Pitta, e Naji Nahas por lavagem de dinheiro entre outros...) : "dizem" que é brilhante!!!



sábado, 14 de agosto de 2010

A JUSTIçA DOS RICOS E DOS POBRES (na visao RBS-GLOBO)

Compare as noticias. O mesmo estado: Santa Catarina. O mesmo crime: estupro. Envolvidos: Menores. O tempo de divulgaçao: POR NADA IDENTICO.
Nao poderia ser considerada uma forma de manipulaçao ou desinformaçao? Aquele telespectador desatento poderia confundir as noticias e pensar que sao a mesma...!!! Ou nao? Assim se livra a barra dos filhinhos da RBS-GLOBO e se faz acreditar que os dois crimes se tratem no fim do mesmo, ou seja, dos rapazes pobres. Técnicas parecidas com a de Hitler e Goebbels para iludir as pessoas através da sua propaganda nazista.

A primeira noticia do "POSSIVEL" estupro ("ATO INFRACIONAL", segundo o apresentador) de uma menina de 13 anos pelo filho de Sergio Sirotsky dono da RBS-GLOBO ocupa o tempo de um comentario, quase como o tempo de informar que horas sao e se "busca proteger o direito das crianças envolvidas" seguindo o ECA com abrangencia somente no estado.

A segunda noticia do mesmo tipo com rapazes que nao sao filhos de pessoas ricas e potentes é divulgada em rede nacional com produçao de filminho no qual se pode ver claramente as crinaças e tudo mais o que se tem direito.

Enquanto o estupro feito pelo filhinho da RBS é uma investigaçao de um POSSIVEL estupro o outro estupro segundo Evaristo Costa é uma historia DE VIOLENCIA, ABUSO, PREPOTENCIA E DESRESPEITO. A outra manipuladora Sandra Annenberg adiciona: "A adolescente foi estuprada...", ou seja, JORNALISMO DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS CLASSICO DA RBS-GLOBO.

O estuprador de Joaçaba esta preso enquanto o filhinho de papai Sirotsky onde serà que està? Na Disney?

Infelizmente, a unica coisa que tenho que admitir que é verdade é o comentario do medieval Prates: " este é um povo estupido que nao reage".

DEIXE DE SER BOBO, ABAIXO REDE GLOBO-RBS, NAO SEJA CUMPLICE DESSES BANDIDOS.

CANCELE SUA ASSINATURA DO JORNAL.



sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Censura da Revista CARTA MAIOR

Engraçado, dias atràs li um artigo na revista Carta Maior online e achei inacreditavel o que escreveu o professor no segundo paragrafo do seu texto (em negrito abaixo). Parecia uma estaçao repetidora da propaganda hipocrita americana. Escrevi um comentario no qual nao dava uma avaliaçao positiva e até hoje nao foi publicado. Engraçado que os outros comentarios (todos positivos) estao là... Se trata serà de mais um meio de desinformaçao (intencional ou nao)?

A revista que se diz de esquerda parece ter aprendido bem os metodos de "construçao do consenso" americano. Abaixo meu comentario nao publicado... e mais abaixo o artigo,


"Professor, com todo o respeito, o segundo paragrafo desse texto é escandaloso. Parece um comentario do NYT o dei network americani pro-guerra. Mas alguém ja leu o site de DemocracyNow ou as criticas de Chomsky ou as denuncias de Wikileaks ou de John Perkins? Mas estamos brincando? "As tropas deverao orientar operaçoes contra o terrorismo e proteger civis?" Mas do que se esta falando? Se nao foi o governo americano o maior terrorista do seculo XX eu nao sei em que mundo vim parar... Se nao se conhece a estrategia guerrafondiaria come denuciado por Eisenhower no seu discurso final em 1961 ou mais recentemente por Jack Smith (Hudson Valley Activist e Guardian) ou as atrocidades cometidas justamente contra os civis que deveriam "defender".
La propaganda americana modelo anos 20 (Bernays-Lippman) ou o soft power é a todo vapor em Iraque com a revista Hi, a radio Sawa (inaugurata depois do 11 setembro), Voice of America, Radio Free Asia e la Marti ou a TV al-Hurra que tem como sponsor o governo americano (62 milhoes no 1° ano) e sede adivinha onde? Virginia!
Com muita tristeza pude verificar que a universidade onde estudo (Pavia) segue e difunde o modelo da classe dominate bem como dizia Foucault.
Com muita tristeza todos os dias me dou por conta que estamos em um caminho ja sem volta.
Depois de algum tempo longe tornei a ler cartamaior e, com altra tanta tristeza, estou quase convinto que nao tornarei a ler essa revista autoproclamada de "esquerda" se depender de artigos desse tipo.
Saudaçoes,"


texto abaixo do site:

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16854


"É o petróleo, estúpido!

Reginaldo Nasser ( Professor de Relações Internacionais da PUC-SP)


No dia 02/08/2010, exatamente 20 anos após a invasão iraquiana do Kuwait, que motivou a 1ª guerra no Golfo em 1991 e o início do envolvimento direto dos EUA no Oriente Médio, o presidente Barack Obama anunciou que, tal como já estava planejado desde sua campanha eleitoral, os EUA deverão decretar o final das operações de combate no Iraque até 31 de agosto de 2010. Mas é difícil acreditar que o envolvimento militar dos EUA no Iraque vai acabar. A previsão é que haverá uma redução do número de soldados americanos de 90 para 50 mil "não-combatentes" até 2011. Mas o que significa exatamente não-combatentes?

Trata-se muito mais de uma distinção política do que militar. Essas tropas deverão orientar operações de luta contra o terrorismo, proteger os civis, treinar, assessorar e supervisionar Forças de Segurança iraquianas ainda extremamente dependentes dos EUA. É também um exercício de semântica, pois o que atualmente é denominado operações de combate será chamado de "operações de estabilidade." Aliás, não se pode perder de vista o fato de que o número de empresas de segurança tem aumento nos últimos anos (ver A privatização da segurança e a democracia nos EUA Data:25/07/2010).

Aliás, alguns trechos do discurso de Obama deixam clara essa posição alertando para o fato de que redução de tropas “não significa uma redução do compromisso dos EUA com o Iraque”, mas sim uma mudança na natureza do compromisso.

O ex-oficial do Exército EUA e agora professor de relações internacionais da Boston University, Bacevich, observa que Obama esta sendo dominado por aquilo que denominou "consenso de Washington", uma associação entre a segurança nacional e ação internacional por meio de uma política de guerra permanente ao redor do mundo. Uma característica-chave dessa guerra travada em todos os domínios (militar, intelectual, política e cultural) é que fiascos da política externa não podem ser permitidos pois provocam questionamentos sobre o sentido da política EUA. os líderes do establishment de segurança nacional trabalham com afinco, fazendo-nos acreditar que quaisquer eventuais erros nas guerras devem ser reconhecidos como erros de execução, e nada mais. Não se pode permitir que ocorram outras “síndromes do Vietnã” que inibiriam o apoio da opinião pública norte-americana para novas eventuais guerras. (Irã, por exemplo).

Provavelmente, um dos principais motivos pelos quais o Iraque ainda continua a ser visto como Zona de Guerra pode ser encontrados nas dezenas de contratos de longo prazo para exploração dos campos de petróleo por empresas estrangeiras (cerca de 60% das reservas). Tudo isso reforça a necessidade de maior segurança em um país que ainda está lutando para formar um governo após as disputadas eleições de março.
Incapaz de impor uma solução militar, e muito menos transformar o país em um modelo dos valores ocidentais a ser difundido para região, como se previa no início da guerra, os EUA tentam evitar uma retirada humilhante ao estilo Vietnã. Para isso nada mais conveniente do que criar uma nova forma de regime de protetorado para manter seu domínio sobre o país e a região.

Ensaia-se um novo tipo de ocupação econômica após essa “retirada”. No início deste ano, o FMI aprovou um empréstimo de US$ 3,6 bilhões para o Iraque, vinculado a um conjunto rigoroso de condições, incluindo uma ampla campanha de privatização e uma redução significativa nos gastos públicos.
Walter Mead, um intelectual conservador, fez uma observação extremamente pertinente sobre o poder econômico qualificando-o como um sticky power (poder pegajoso), que não se baseia nem na coação militar (hard power), nem na identificação de valores (soft power); mas num conjunto de instituições e práticas econômicas que têm a capacidade de atrair outros Estados para a órbita de influência norte-americana. Esse poder está fundamentado sobre dois pilares, sistema monetário internacional e livre comércio, que propicia aos países construir instituições que dão confiança aos investidores estrangeiros, em concorrência com as propostas de investimentos estatal para o desenvolvimento de suas economias.

Um outro intelectual conservador norte-americano, Niall Ferguson, escreveu um artigo em 2008, respaldando uma análise de John McCain: se os EUA se retirarem do Iraque, o Oriente Médio vai explodir após algum tempo e o barril de petróleo poderá atingir cifras astronômicas. E aí o que fazemos?
Após a invasão em 2003 esperava-se uma rápida recuperação da produção de petróleo no Iraque, mas levou seis anos para voltar aos níveis de 2001 (2,5 milhões de barris por dia). Os contratos de perfuração revelam o começo de um longo esforço por parte das maiores empresas de petróleo do mundo para transformar o Iraque no maior rival da Arábia Saudita. Há estimativas de que mais de US$ 50 bilhões serão necessários para reparar e ampliar a infra-estrutura do petróleo.

Uma recente análise realizada por consultorias na área de energia diz que o plano para aumentar a produção é "extremamente ambicioso" e previu um aumento de pouco menos de 2 milhões de barris de petróleo por dia até 2015, o suficiente para produzir um impacto enorme no mercado mundial de petróleo. O Iraque tem estado ausente da OPEP durante 30 anos devido às guerras e sanções e não se sabe qual será a definição do novo governo que vai se formar. Ao mesmo tempo, os novos “nacionalistas” iraquianos, em ascensão, embora entendam que é necessário nesse momento um forte investimento estrangeiro, estão cada vez mais receosos de que essa forte presença estrangeira impeça o desenvolvimento dos programas sociais e outros setores cruciais da economia. Novas lutas estão por vir."


quinta-feira, 12 de agosto de 2010

COMO FUNCIONA A (IN)JUSTIçA PARA OS PODEROSOS

Texto de George Monbiot. Jornalista e escritor. Escreve em inúmeros veículos, tem uma coluna do The Guardian e mantém a página pessoal www.monbiot.com

texto extraido do site:
http://www.cartamaior.com.br

O Papa Bento XVI e a igualdade perante a lei


Richard Dawkins e Christopher Hitchens pediram a advogados que analisassem a viabilidade de uma ação contra o Papa Bento XVI por ter acobertado casos de pedofilia. Pela primeira vez na história moderna a crença subjacente à vida política – aquela segundo a qual quem exerce o poder sobre nós não será julgado pelas mesmas regras legais e morais que regem os cidadãos comuns – pode estar começando a ruir. Imagine o Papa aguardando julgamento numa prisão britânica, e comece a estabelecer as implicações da idéia radical que nunca foi aplicada: igualdade perante a lei. O artigo é de George Monbiot. Há uma promessa implícita no direito internacional: o fim da era de exceções.

__________________________


A confissão e o arrependimento não estão entre as virtudes católicas praticadas pelo papa. Ele pediu desculpa pelo estupro de crianças cometido por padres católicos na Irlanda, mas este é um dos poucos escândalos de pedofilia que estão sacudindo a Igreja Católica no qual nem ele nem os membros do seu círculo próximo estiveram envolvidos. Ele condenou os bispos irlandeses por "graves erros de avaliação" e pelo "fracasso como líderes"; porém, de seus graves erros e fracassos – em Munique, no Wisconsin e na Califórnia – ele não disse uma palavra, exceto para desviar o assunto como "fofoca insignificante". Sua resposta a esse escândalo lembra as origens do verbo pontificar.

Trancadas em seu mundo fechado e auto-controlado, as vítimas do estupro por sacerdotes poderiam apenas enraivecer frustradas. Até agora.

Ao longo do fim de semana passado, Richard Dawkins e Christopher Hitchens anunciaram que pediram a advogados que analisassem a viabilidade de uma ação contra o papa. Recentemente, no Guardian, Geoffrey Robertson, o advogado da banca que eles contrataram, explicou que o líder máximo da igreja que protege padres pedófilos condenava suas vítimas ao silêncio e concedia permissão aos criminosos para perpetrarem trabalhando com crianças, cometendo o insulto de ajudar e ser cúmplice do sexo com menores. Praticado em larga escala, esse ato torna-se crime contra a humanidade, reconhecido pelo Tribunal Penal Internacional. Esta é a política geral do Vaticano desde que Ratzinger era cardeal. Quando Bento veio ao Reino Unido em setembro passado ele poderia, se Dawkins e Hitchens tivessem obtido deferimento de sua demanda, ter sido preso.

Ao menos estamos acordando para o que o direito internacional significa. Pela primeira vez na história moderna a crença subjacente à vida política – aquela segundo a qual quem exerce o poder sobre nós não será julgado pelas mesmas regras legais e morais que regem os cidadãos comuns – está começando a ruir.

O direito internacional é a resposta atrasada a um dos mais antigos aforismos na língua inglesa. Há deles uma meia dúzia de versões, mas os mais conhecidos são estes: "Eles enforcam o homem e açoitam a mulher que roubam os gansos dos outros, mas deixam os grandes vilões soltos, esses que roubam os outros do ganso". Esta é a maneira como pensamos que seria o desfecho da coisa. Os poderosos são autorizados por nossas expectativas para perpetrarem no cometimento de grandes crimes, enquanto seus súditos são punidos por ofensas muito menores. Não mais. Imagine o papa aguardando julgamento numa prisão britânica, e comece a estabelecer as implicações da idéia radical que ainda não foi jamais aplicada: igualdade perante a lei.

Ao mesmo tempo em que Dawkins e Hitchens põem em marcha sua ação, a advogada Polly Higgins desafiou nossa percepção do que a igualdade legal significa. Na última sexta, ela lançou a campanha pela inclusão de um quinto crime contra a paz no Tribunal Penal Internacional. O crime é o de ecocídio: a destruição do mundo natural.

O direito da maioria das nações protege furiosamente a propriedade, caprichosamente o indivíduo e a sociedade, escassamente. Um homicídio é denunciado e julgado, homicídio em massa é negócio legitimado pelos estados. Só quando se dão nomes a esses atos – genocídio, crimes contra a humanidade, crimes de guerra, crimes de agressão – começamos a entender seu significado moral.

O mesmo se aplica à natureza. O Anexo II da Convenção de Berna criminaliza quem quer que "arranque intencionalmente" uma só flor de uma planta protegida legalmente. Mas você pode consumir quantas vezes quiser, por quanto tempo quiser, como "uma consequência incidental de uma operação plenamente legal". Arranque a flor de uma lapela e você está no banco dos réus; desmate todo o habitat e a lei não pode tocar em você.

Higgens dá alguns exemplos de ecocídio: a extração de petróleo nas tar sands, em Alberta, Canadá; o imenso pedaço de lixo no Pacífico Norte, a poluição do Delta do Niger por companhias de petróleo. Ela sustenta que o ecocídio raramente é um crime intencional; na maioria dos casos é consequência de outras políticas.

Executivos das corporações ou políticos poderiam ser individualmente processados mas, em vez de multados, deveriam ser condenados a restaurar sistemas naturais que danificaram. O propósito de criminalizar o ecocídio é aumentar os custos do emporcalhamento do planeta ao ponto em que não valha mais à pena destruí-lo. Essa é a conquista óbvia de um entendimento mais amplo da igualdade legal: por que a propriedade privada deveria ser protegida enquanto a riqueza comum da humanidade não o é?

O modo como o direito internacional vigora hoje é frequentemente descrito como a justiça dos vencedores; as únicas pessoas condenadas são aquelas que perderam guerras em que lutaram contra estados poderosos. E não é nem mesmo isso. Na semana passada ficamos sabendo que em torno de 50 suspeitos de crimes de guerra ou de violações dos direitos humanos estão vivendo no Reino Unido. Dentre eles, há supostos torturadores que trabalharam para o governo de Saddam Hussein, outro, que foi escudeiro de Robert Mugabe (era membro da milícia sudanesa Janjaweed) e uma coleção medonha de senhores da guerra afegãos. Mas a polícia não tem tido dotação orçamentária para investigá-los e o Crown Prosecution Service [Ministério Público Britânico] não tem recursos para processá-los. Então, enquanto os ladrões de galinha estão sendo presos, os suspeitos de assassinatos em massa andam livremente entre nós.

É bem a cara das promessas do Primeiro Ministro. Um mês atrás, depois da visita de Tzipi Livni, a ex-ministra de relações exteriores de Israel ao Reino Unido ter sido cancelada por causa do seu temor de ser presa devido a uma ordem de prisão obtida por militantes dos direitos humanos, Gordon Brown escreveu um artigo para o Telegrafh, no qual propõe que se pare com os processos privados por crimes contra a humanidade. Brown disse que a ordem de prisão sustentou-se em "evidências ligeiras", e que aqueles que visam a prender Livni tinham "agido só para aparecer nas manchetes". Mas a evidência de crime contra a humanidade ao qual Livni tem sido vinculada – baseada no Relatório Goldstone, entre outros – é maciça, detalhada e difícil de ser questionada.

Brown foi além e fez mais uma declaração plenamente falsa: "O Reino Unido sempre honrará seu compromisso com a justiça internacional. A polícia aqui permanece pronta para investigar os casos, o Ministério Público, para processá-los, as cortes de justiça, para escutá-los". Seu governo recusou-se a atender aos pedidos para a criação de uma unidade especializada em crimes de guerra e fracassou em investir uma moeda sequer na investigação e no processo legal dos suspeitos de crimes de guerra.

Então, ele explicou seu verdadeiro objetivo na busca da prevenção desse tipo de ação penal privada. Pessoas como Livni, disse, representam "países e interesses com os quais o Reino Unido deve se engajar, se é para defender não apenas nosso interesse nacional, mas para manter e estender uma influência pelo bem pelo planeta". A Grã Bretanha, em outras palavras, não investigará nem acusará seus aliados. Seu artigo demonstrou o oposto do que ele se dedicou a mostrar: que, se é o caso processar dignatários estrangeiros em visita neste país, as autoridades cuidarão deles. Sem ações penais privadas do tipo das que Dawkins e Hitchens esperam mover, a igualdade perante a lei permanecerá uma ameaça vazia.

O contorcionismo desesperado de Brown no caso Livni sugere que os governos estão começando a temer as implicações escandalosas daquilo de que são signatários. Chegou o momento de fazermos o mesmo. Há uma promessa implícita no direito internacional: o fim da era de exceções.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

BOICOTE: RBS/GLOBO escondem ESTUPRADOR pois é membro da familia Sirotsky (dona RBS)

BOICOTE ESSAS PORCARIAS.... CANCELEM SUAS ASSINATURAS.... nao colabore com esses criminais do colarinho branco.... essas manipuladoras sao a desgraça do povo, assim como a RECORD, claro!

FILHO DA DINASTIA RBS-SIROTSKY E FILHO DE UM DELEGADO DE POLICIA DE FLORIANOPOLIS ESTRUPRAM MENINA DE 13 ANOS E A NOTICIA é ESCONDIDA... (veja video)

E SE FOSSE SUA FILHA? SUA IRMA? SUA PRIMA? SUA SOBRINHA? SUA NETA?

Nao é novo que a lei nao é igual para todos... agora se cada um de nòs nao fizermos nossa parte, seremos cumplices desses cretinos.

MANILAçAO? Nada de novo. Sendo a RBS filiada da Rede Globo (a maldiçao do nosso povo) deve ter aprendido bem como vincular somente noticias de seu interesse. E nao é a primeira vez... obviamente. Quem nao lembra das manipulaçoes eleitorais envolvendo Olivio Dutra quando a RBS chegou a pediu desculpas aos seus pobres leitores. Uma atitude que me faz lembrar o crocodilo que chora enquanto devora sua presa... Ou quando a Rede Globo manipulou as eleiçoes de Brizola com a ajuda dos militares em 1982 (se nao me engano)... ou quando apoiou o corrupto Collor, ou quando nao noticiou as manifestaçoes populares das "diretas jà" quando o povo pedia democracia e a Rede Globo preferiu dizer que a manifestaçao era a comemoraçao do aniversario de Sao Paulo; tem cabimento? Parece inacreditavel, surreal, mas sao décadas que as pessoas compram jornais para serem DESINFORMADAS! Isso pode até ser entendido, pois um pode nao saber que os meios de comunicaçao agem em mà-fé; o que nao dà pra entender é por que continuam finanziando (comprando seus jornais, lendo suas revistas, assistindo suas tvs) essa porcarias de empresas que sò pensam em se enriquecer e em defender seus interesses particulares. E é assim em todo o mundo.

A MIDIA (o quarto poder) PERTENCE AOS RICOS E VAI SERVIR AOS RICOS... Na Italia, hoje, se veem os efeitos gerados por uma monopolizaçao dos meios de comunicaçao (praticamente tudo é do primeiro ministro Berlusconi). O Pais é um desastre, nao se sabe o que pensar, nao se sabe no que acreditar, pois o papel atual da midia é DESINFORMAR e nao informar. O papel é esconder as grandes corrupçoes e os grandes roubos dos grandes grupos. Na américa nao é diferente. As multinacionais controlam tudo - politica, economia, meios comunicaçao, grandes networks - e se servem do que precisam para alcançar seus objetivos que nao é outra coisa que aumentar sua riqueza e consequentemente seu poder. (leia-se CHOMSKY, RUSSELL MOKHIBER E ROBERT WEISSMAN).

BOICOTE ESSAS PORCARIAS.... BOICOTE, BOICOTE, BOICOTE, BOICOTE.

PARE DE ASSITIR ESSAS PORCARIAS ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS E SEJAMOS ENGOLIDOS VIVOS POR ESSES MERCENARIOS SEM ESCRUPULOS. LEIA UM LIVRO, VA EM UMA BIBLIOTECA PUBLICA E PEGUE EMPRESTADO, COMPRE, FAçA QUALQUER COISA MAS SEJA LIVRE, ARRANQUE ESSA CORRENTE INVISIVEL QUE TE FAZ ESCRAVO DE UM SISTEMA CORRUPTO E INJUSTO. ACORDE PELO AMOR DE DEUS (seja ele Buddha, Allah, Cristo o qual seja a sua crença)... SE REUNAM EM ASSOCIAçOES DE MORADORES, SE JUNTEM, APRENDAM JUNTOS, DIVIDAM DIFICULDADES, COBREM AçOES DOS PREFEITOS-VEREADORES E SIGAM O QUE ESTAO FAZENDO, POIS DO CONTRARIO FARAO SEUS PROPRIOS INTERESSES A DECAPITO DO INTERESSE COLETIVO. A DESGREGAçAO SOCIAL CAUSADA PELA INDUSTRIALIZAçAO VAI ACABAR COM NOSSA SOCIEDADE. AS VITIMAS E OS CULPADOS SEREMOS NOS MESMOS!


No blog www.tijoladasdomosquito.com.br tem muitas informaçoes sobre o caso.



sábado, 7 de agosto de 2010

Relatório do congresso EUA diz que dinheiro americano financia os senhores da guerra afegãos

fonte:

http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/06/22/relatorio-diz-que-dinheiro-americano-financia-os-senhores-da-guerra-afegaos.jhtm


Os contribuintes americanos criaram inadvertidamente uma rede de senhores da guerra por todo o Afeganistão, que estão ganhando milhões de dólares escoltando comboios da Otan e atuando fora do controle tanto do governo afegão quanto dos militares americanos e da Otan, segundo os resultados de uma investigação do Congresso divulgada na segunda-feira.

A investigação, iniciada no ano passado pelo Subcomitê da Câmara para Segurança Nacional, descobriu que o dinheiro dado a esses senhores da guerra afegãos frequentemente equivale a pagamentos de proteção ao estilo máfia, com alguns comboios da Otan que se recusaram a pagar sofrendo ataques.


O subcomitê, liderado pelo deputado John F. Tierney, democrata de Massachusetts, também encontrou evidências sugerindo que o dinheiro do contribuinte americano estava chegando ao Taleban. Vários supervisores de empresas de transporte disseram aos investigadores que acreditavam que os homens armados que contrataram para escoltar seus comboios subornaram talebans para não atacarem.


Os senhores da guerra que são pagos com dinheiro americano, disseram os investigadores, estão minando o governo afegão legítimo que os soldados americanos estão lutando para construir, e provavelmente ameaçarão o governo após a partida dos americanos e da Otan.

A fonte de dinheiro do contribuinte é um contrato de US$ 2,1 bilhões para pagamento do transporte de alimentos e suprimentos para cerca de 200 bases americanas por todo o país árido e montanhoso, que em muitos lugares não possui estradas pavimentadas.

O relatório de 79 páginas, intitulado “Senhores da Guerra S.A.”, pinta um quadro anárquico do Afeganistão contemporâneo, com as principais estradas do país sendo controladas por grupos de homens armados free lance que não respondem a ninguém – e que são pagos pelos Estados Unidos.

O Afeganistão, apontou a investigação, conta com centenas de empresas de segurança privada não registradas e que empregam até 70 mil homens armados em grande parte não supervisionados.

“As principais empresas de segurança contratadas”, disse o relatório, “são senhores da guerra, homens fortes, comandantes e líderes de milícias que competem com o governo central afegão por poder e autoridade”.

“Os senhores da guerra prosperam em um vácuo de autoridade do governo e seus interesses estão em conflito fundamental com as metas americanas de construção de um governo afegão forte”, disse o relatório.

No coração do problema, apontou a investigação, está o fato das forças armadas americanas pagarem para empresas de transporte para levarem seus suprimentos por todo o Afeganistão – deixando que as empresas cuidem de sua própria proteção. As empresas de transporte, por sua vez, pagam aos senhores da guerra e comandantes para fornecerem segurança.

Esses subcontratos, apontou a investigação, são feitos sem qualquer supervisão do Departamento de Defesa, apesar das instruções claras do Congresso para que o departamento realize essa supervisão. O relatório declara que os oficiais militares em Cabul tinham pouca ideia de para quem as empresas de transporte estavam pagando para fornecer segurança ou quanto gastaram nisso, assim como raramente inspecionaram um comboio para descobrir.

O relatório recomenda que as forças armadas acertem os contratos de transporte e segurança separadamente.

Ele também lista os vários senhores da guerra que controlam trechos de estrada no Afeganistão: Ruhullah, que como muitos no Afeganistão tem apenas um nome, tem a reputação de lidar impiedosamente com as aldeias ao longo das estradas que controla; Matiulllah Khan, cuja milícia de 2 mil homens controla a estrada entre Kandahar e Tirinkot; e Abdul Razziq, o comandante da polícia de fronteira em Spin Boldak, uma das principais rotas de caminhões de transporte para o país.

Ruhullah comanda uma força de cerca de 600 homens armados que trabalham para a Watan Gestão de Risco, uma empresa de segurança supervisionada por Rashid e Rateb Popal, que são primos do presidente Hamid Karzai. Em uma entrevista no mês passado, Rashid Popal negou que sua empresa pague aos insurgentes talebans.

O relatório disse que a Watan Gestão de Risco e Ruhullah receberam “várias dezenas de milhões de dólares” para escoltar comboios da Otan.

“Muito depois dos Estados Unidos deixarem o Afeganistão e o negócio de proteção de caminhões fechar as portas, esses senhores da guerra provavelmente continuarão exercendo um grande papel como centros autônomos de poder político, econômico e militar”, disse o relatório.

O relatório detalhou os episódios em que as empresas de transporte que se recusaram a pagar aos senhores da guerra para escolta de seus caminhões foram atacadas pelos mesmos homens. Um executivo de empresa de transporte que se recusou a pagar para Ruhullah disse aos investigadores que seus caminhões foram atacados pelos homens dele. Ruhullah, disse o executivo, “está disposto a explorar impiedosamente a falta de controle militar ao longo das rotas em que atua”.


E ENTAO, QUEM SAO OS VERDADEIROS TERRORISTAS? NAO SERIA Jà HORA DE ACABAR COM A MANIPULAçAO-HIPOCRISIA E PROCURAR NA CASA BRANCA?

terça-feira, 3 de agosto de 2010

CASO DANIEL DANTAS (Banco Opportunity): A Polícia Federal trabalhou contra a Polícia Federal


Uma breve narrativa da guerra que um policial tem de enfrentar para prender e processar um corrupto que lhe oferece um suborno de 1 milhao. O nome do delegado da PF é Vitor Hugo Rodrigues Alves e quem comanda as operaçoes é o delegado Protógenes Queiroz. Homens que nos dias de hoje se tornam revolucionarios. Sao guerrilheiros? Nao. O motivo é simples: Por que tentam fazer cumprir a justiça frente aos potentes de turno como Dantas. Por que investigam o jogo porco da polìtica. Por que procurar a verdade e "dizer a verdade, hoje, é um ato revolucionario."

Enquanto o povo continuar "dormindo acordado"olhando novela e futebol, nao poderà ter acesso a uma vida digna e justa por que o seu conformismo e ignorancia é o instrumento da sua propria desgraçada situaçao social e do seu penar. Nao creia que uma melhoria da sua condiçao de vida lhe serà presentada por alguém ??!!!


Matéria di Bob Fernandes retirado do site

http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI2998733-EI6578,00.html


"Esse é mais um capítulo do mergulho nos intestinos do Brasil. Estão presos o banqueiro do Opportunity, o megaespeculador Naji Nahas, o ex-prefeito Celso Pitta e outros 17 dos 21 que tiveram a prisão decretada. É quarta-feira, 9 de julho.

Nas telas, ondas, bits e páginas, a futebolização de sempre: aplausos entusiasmados, críticas ferozes à ação da polícia. O que ainda não chegou à tona é a verdadeira história dessa gigantesca ação policial, da encarniçada batalha que se travou nos setores de Inteligência, na Polícia.

O que se narra aqui são cenas, é o contorno dessa batalha, mas antes é preciso lembrar que este é apenas mais um capítulo.

Crucial, decisivo para que se entenda o todo, o que se movia, se move - e se moverá -, mas apenas mais um capítulo no enredo da maior disputa da história do capitalismo brasileiro, disputa essa que carrega em si o esteio, a sustentação do poder. Do Grande Poder.

O delegado Protógenes Queiroz comandou as investigações no último ano. Antes dele, ao tentar seguir a pista da organização comandada por Dantas, outros delegados fraquejaram. Ou desistiram, ou...

Protógenes foi conduzido ao comando da investigação sigilosa pelo então diretor geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, hoje chefe da Agência Brasileira de Inteligência, Abin. Paulo Lacerda queria e autorizou a operação até deixar a direção da PF.

Um dia, convidado pelo presidente Lula, Lacerda foi para a Abin. Em seu lugar assumiu Luiz Fernando Corrêa, que chefiava a Força Nacional de Segurança Pública. Luiz assumiu com fama de amigo de José Dirceu.

Se era ou se não era, se suas relações vinham apenas da proximidade no trabalho de segurança da PF ao candidato Lula em eleição anterior, é uma outra questão, mas o fato é que Luiz Fernando chegou ao cargo com essa fama: amigo de José Dirceu.

Logo ao assumir, o diretor da PF quis mais informações sobre que investigação seria aquela relativa aos negócios e métodos de Daniel Dantas. Normal. Parte das suas atribuições de comando.

O delegado Protógenes, por seu lado, ofereceu explicações genéricas, mas guardou o que era secreto, segredo de justiça.

Normal. Manhas de um tira brilhante, esperto, do policial que prendeu Paulo Maluf, o contrabandista Law Kin Chong, que pôs na marca do pênalti o Corinthians da MSI, Kia Joorabichian e Dualib, que investiga para a FIFA as lavanderias do futebol mundo afora.

Normal, em meio aos rumores sobre vazamentos na investigação e, pior, propinas. Subornos em favor de Dantas.

Na diretoria de Inteligência, um aliado do diretor geral na busca de informações amplas sobre o núcleo das investigações: o delegado Daniel Lorenz.

Protógenes Queiróz é duro na queda. Primeiros embates, e a operação Satiagraha perde estrutura. O comando esvazia parte da logística; retira agentes e peritos, encolhe a sala, asfixia as investigações....o corriqueiro nos jogos de guerra.

O jogo é maior, muito maior. As pedras se movem. Ao diretor da Polícia Federal chega o recado. Suave, mas direto: as investigações devem prosseguir.

Fim do ano. Mídia afora, o festival de plantações, versões. A batalha, que é política, comercial, policial, segue seu leito também nas telas, ondas, bits e páginas. Véspera do Natal. Estranhíssima entrevista do diretor geral.

Luiz Fernando Corrêa escolhe o encarte semanal "Brasília" do jornal mineiro Hoje em Dia para mandar um recado em forma de entrevista. Manchete:

-Cada geração tem um papel a cumprir. Cumpriu, sai fora!

Até o vidro fumê do edifício sede da PF em Brasília captou a mensagem e os destinatários: Paulo Lacerda e antigos delegados que comandaram a Polícia durante 4 anos e 8 meses do governo Lula.

Para não haver dúvidas, a capa do tablóide berrou:

-PF dividida.

Véspera do Natal, peru, nozes, vinhos, poucos civis devem ter lido. Mas a polícia inteira leu. Comentou, discutiu. E mesmo o mais desatento agente sacou que a barca do delegado Protógenes Queiroz, fosse qual fosse, não era uma boa aos olhos da direção.

Parênteses. Daniel Dantas e os seus comemoravam, vibravam a cada boa notícia. Sim, o que não faltou nesse enredo foi notícia. Capas e capas.

O carnaval se foi. E um fato: a repórter quer falar com o delegado Queiroz. Quer informações sobre uma investigação que envolveria Daniel Dantas e o Opportunity. Apreensão, no início de abril - e isso são fatos. Objetivos. Conhecidos desde então: a repórter vai publicar o que tem se não for recebida.

A situação se agrava. Por ordem do comando, o delegado Protógenes Queiroz perde quase toda a logística. Fato registrado, inclusive, em imagens: a sala sendo esvaziada, a tralha tecnológica removida.

Queiroz começa a fingir que a operação faz água. Cede, aceita conversar com a repórter; Andréa Michael, da Folha de S.Paulo. Mas faz uma exigência aos superiores: quer a presença do diretor geral, Luiz Fernando Corrêa, e de Lorenz, o diretor de Inteligência.

Corrêa não vai, manda alguém da comunicação social. Lorenz, presente. Na conversa, o delegado Queiroz contorna, tergiversa, despista, e guarda tudo o que disse e o que não disse.

Sábado, 26 de Abril. Anunciado o acordo das teles, vem aí a BrOi. No caderno "Dinheiro", da Folha, em quase meia página a repórter Andréa Michael relata os contornos de uma operação a caminho, destinada a prender Daniel Dantas.

Domingo, 27 de Abril. A operação está morta. Protógenes Queiroz faz dois movimentos. Primeiro, na véspera, a ligação para Lorenz, que está no Chile. Cobra a conta da conversa com a repórter, quando apenas despistou. Este diálogo, de parte a parte, não é bom.

Segundo movimento: Queiroz, para efeito externo, dá a operação como morta. Para efeito interno, os fatos incendeiam agentes, peritos e delegados envolvidos numa operação cada vez mais secreta.

Segue a semana. Queiroz é comunicado. Não há, não haverá mais logística alguma. Caso encerrado. Caso que o diretor geral e o diretor de Inteligência seguem a desconhecer em sua essência e mesmo os contornos.

O delegado está solto no espaço.

Uma outra rede conecta-se, subterrânea, solidária. O outro lado da polícia trabalha, secretamente, pela Satiagraha, a "firmeza na verdade" de Gandhi.

Notas em colunas, sites. Chutes, bravatas, cascatas, desinformação. A operação é adiada. Uma, duas, três vezes.

O delegado Protógenes Queiroz é monitorado, vigiado. Pela Polícia Federal. E sua equipe contra-ataca: vigia, monitora, flagra e registra, os movimentos dos monitoradores da própria PF.

Daniel Dantas e os seus estão tensos. Em dúvida: acabou, ou não acabou? Na dúvida, encaminham ao Supremo Tribunal Federal um pedido de habeas corpus preventivo, para Dantas e a irmã, Verônica.

Daniel Dantas morde a isca. Humberto Braz, ex-presidente da Brasil Telecom e o amigo Hugo Chicaroni são os intermediários. A oferta é feita ao delegado Vitor Hugo Rodrigues Alves.

Na churrascaria El Tranvia, bairro de Santa Cecília, São Paulo, o ensaio para o acordo final: US$ 1 milhão.

Como sinal, duas parcelas, uma de 50 e outra de 80. Pagamento futuro em duas de US$ 500 mil. Encontros e acordos fechados em 18 e 26 de junho. Para livrar a cara dos Dantas.

Há algo no ar. Frases soltas.

Gilmar Mendes é o presidente do STF. No meio da semana, pós-São João, desponta nas telas, um tempão nos telejornais, nas manchetes do dia seguinte. Refere-se a informações vazadas por policiais, uma "coisa de gângsters", e ao "terrorismo lamentável".

A fala ecoa. Cada um entende como quer. Críticas gerais às interceptações telefônicas (mesmo às autorizadas judicialmente).

Julho chegou. Fim de semana. Notas, boatos... Daniel Dantas está em Nova Iorque... Daniel Dantas aguarda o habeas corpus para voltar ao Brasil...

Sete de Julho. O delegado geral, Luiz Fernando Corrêa, que até a véspera nada sabia sobre a verdadeira extensão de Satiagraha, quer agora saber de tudo. De tudo, não saberá. Extrema tensão. Como há um mês, no Rio de Janeiro.

Agentes da equipe de Queiroz seguiam gente dos Dantas, pelas ruas do Rio. A polícia foi chamada, quase um confronto até o esclarecimento "somos da PF" e o despiste numa operação banal qualquer. Mas a queixa subiu.

Chegou ao diretor geral da PF, a Heráclito Fortes (DEM-PI) no senado e ao advogado geral da União, José Antonio Toffoli, adentrou o Supremo Tribunal.

Seis da manhã, 8 de julho. Avenida Viera Souto, Ipanema, Rio de Janeiro. Daniel Dantas está preso.

Furacão na mídia, por todo o dia. À noite nos telejornais e no dia seguinte, este 9 de julho, a repercussão.

Gilmar Mendes, o presidente do STF, ataca a "espetacularização das prisões, incompatível com o Estado de Direito", critica duramente o pedido de prisão, negado, contra a repórter da Folha de S. Paulo:

-...isso faz inveja ao regime soviético...

Frases soltas no ar.

Miriam Leitão, a comentarista econômica, também está no ar. Na rádio CBN, Miriam conversa com Carlos Alberto Sardenberg.

Meio dia e quarenta. Miriam diz não ter entendido direito porque Daniel Dantas foi preso. Afinal, constata, as acusações são inconsistentes, "coisas do passado", e é preciso que a Polícia Federal explique melhor por que fez essa operação "com tamanho estardalhaço..."

Miriam se vai. Sardenberg chama os comerciais, não percebe que o microfone está aberto, e deixa escapar:

-...ela tá esquisita, não?

Frases soltas no ar.

Daniel Dantas está preso. Esse, o policial, é mais um capítulo da operação que chegou aos intestinos do Brasil."

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

TORTURA E MORTE EM NOME DE CRISTO. O QUE A IGREJA CATOLICA FEZ NA INQUISIçAO

Da série... "o que nao nos ensinam na escola" (muito menos na catequese)!

Nao se iludam com as palavras daqueles que nao as transferem em atos... e isso vale para religiao, politica e pessoas...


SE PENSARMOS BEM, SEGUIR A IGREJA CATOLICA E SEGUIR UM REGIME NAZISTA OU QUALQUER OUTRA DITADURA NAO TEM GRANDES DIFERENçAS.... ENGRAçADO QUE SE UM SUJEITO SE DIZ SIMPATIZANTE DE HITLER, SERà VISTO COM MAUS OLHOS ENQUANTO SE OUTRO SE DIZ CATOLICO é UM SERVO DE DEUS.... AS PESSOAS SAO MUITO IGNORANTES PARA ENTENDER ALGUMA COISA... E MESMO SE ENTENDESSEM NAO SERIAM DISPOSTAS A ACEITAR QUE FORAM ENGANADAS POR SUA INTEIRA EXISTENCIA PORQUE A IGREJA TORNOU-SE A SUA PROPRIA RAZAO DE VIVER ... SERIA UM ABSURDO TAO GRANDE QUE PREFERIRIAM ENGANAR A SI MESMAS CONTINUANDO A ACREDITAR EM UMA INSTITUIçAO QUE MAIS PORTOU DESGRAçAS QUE BENEFICIOS A ESSE MUNDO... (com exceçao de alguns individuos).... NAO é POR NADA QUE VIVEMOS EM UM MUNDO DE MERDA MESMO....


"Baseado em documentos inéditos e pesquisas que revelam inúmeros segredos do Vaticano, a minissérie Arquivos Secretos da Inquisição foi destaque do The History Channel. A produção de quatro horas foi rodada na Itália, França e Espanha.

A minissérie, com intervenções de especialistas, retrata as passagens mais obscuras de mais de 600 anos da Igreja Católica em sua luta para ser a exclusiva representante do Cristianismo no mundo.

A Inquisição foi um sistema de terror em massa, composto por cortes secretas. Tratava-se de uma instituição que ultrapassou fronteiras geográficas e históricas, indo da França medieval ao renascimento italiano. O especial aborda essa sangrenta história, dos arquitetos da Inquisição às vítimas de sua ira.

Os episódios trazem opiniões de estudiosos como David Gitlitz (especialista em História Medieval), Stephen Haliczer (historiador), Charmaine Craig (escritor) e Joseph A. Di Noia (teólogo e reverendo).
"





Video 1
Video 2
Video 3
Video 4
Video 5